Pular para o conteúdo principal

Uma Janela

Aniversariar é viver... Viver é abrir a Janela da alma, para se olhar a vida lá fora...

Nessa época, quando estamos perto conquistar mais uma "janela" da nossa vida, perto de agradecer nossas conquistas e renovar nossos desejos para essa próximo número, o qual chamamos de idade, é normal existir qualquer tipo de melancolia. É que abrimos a janela da nossa alma, para enxergar vidas lá fora. Com o olhar que vem do nosso EU de dentro, ficamos sabendo o que temos, mas também reparamos no que perdemos e ainda o que nunca tivemos. Há um universo secreto de cada um de nós... Há um poço de desilusões, sonhos, amores, desamores ou desconfiança. Podemos ter relacionamentos felizes, saudáveis e viagens em todas as férias, mas ainda sermos frustados no trabalho. Podemos ter um destaque na vida profissional e amigos para toda hora, mas o relacionamento feliz e saudável acabou e, junto com ele, foi-se embora toda a alegria do amor. A cada "level" alcançado, relembramos nossas dores, alegrias, e conquistas... Abrimos um caminho para o futuro. Avistamos uma ponte de coragem que nos espera para a cada avanço desse jogo da vida. Nem mesmo a falta de resposta a uma mensagem enviada com tanto afeto, ou a ausência dos braços que outrora nos abraçaram, ou ingratidão daqueles que não reconhecem nossa amizade, nem toda desavença, intriga, nada disso irá nos diminuir diante de nós mesmos. Somos gente que conquista a felicidade devagar, dia após dia, com garra e vontade. Como já disse Fernando Pessoa, "a minha tristeza é sossego, porque é natural e justa. E é o que deve estar na alma." Nossa alma é como um pastor que conhece o vento, o sol e a chuva. Nas estações da vida, aprendemos a sentir e a olhar.

Talvez hoje eu pudesse escrever sobre os últimos dias, 23 anos que vivi. Mas que tal falar dos próximos 23, 30, 40...?
Quero viver sem me preocupar com questões... Quero viver sem me lembrar do passado... Quero viver sem o medo de viver... Quero viver e apenas viver. Quero me apaixonar por um sorriso e sorrir junto... iluminar as janelinhas dos olhos... Amar a pessoa que o espelho reflete todas as manhãs. Encarar a janela dos desejos e esbanjar sonhos. Desenhar um horizonte além da janela... exagerar nas cores e fazer florescer todos os campos que minha vista puder alcançar. Ir além, muito além... Abrir a janela da vida e ser plena em cada coisa ainda que pareça pequena. Viver com espontaneidade de uma criança. Debruçar na janela e olhar a vida passar através dela. Repare. Há felicidade em todos os lugares... Em cada uma dessas questões... Hoje uma nova janela se abre pra mim... 23 agora novos sonhos, responsabilidades... A brisa da noite e o aroma das flores por onde dançarei, me prendem uma nova atenção. Então é hora de pendurar as dores no varal, enquanto me deliciarei de uma valsa particular. Há centenas motivos para se agradecer nesses 23 vividos... Por cada erro, cada acerto. Cada aprendizado e cada recomeço. Cada sorriso, beijo, abraço. A felicidade pode ser efêmera, mas ela sempre volta... Assim, a cada casa avançada. A tristeza nos dá um descanso, porque somos felizes quando suportamos nossas dores.

Eu não tenho medo de aniversariar... Tenho é medo de não aprender a evoluir, a cada vez que o jogo avança. 

Obrigada 6 de Outubro... Até breve !!!!!

Au Revoir...

JULIANA RODRIGUES
CAFÉ ROSA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É "a vida é um sopro"

(foto: autora)
Sabe aquela pergunta clichê de toda reflexão: QUANTO TEMPO AINDA TEMOS PARA VIVER? De certa forma, esta é uma pergunta que nem merece resposta. Pode ser que nem eu consiga terminar este texto... Ou pode ainda ser, que você consiga lê-lo de maneira exaustiva. O fato é que, temos o tempo suficiente para estarmos aqui... vivendo... conhecendo... aprendendo... Se ele é muito ou pouco, para mim não importa. O tempo é relativo, a cada grau de importância em suas fagulhas. O tempo é quem dita a validade dos seus aprendizados, amadurecimentos, crescimentos, escolhas, atitudes e até mesmo e por que não, pessoas.   
Se de cada experiência adquirida nas janelas da nossa vida, além de subirmos de level e avançarmos para a casa seguinte, levássemos em pedacinhos de memórias, os sorrisos, abraços, beijos, acolhidas, conversas de estrada, paisagens recortadas nos km rodados por ai, os olhos que sorriem pra alma, as músicas que embalaram cada chegada e despedida, somariam todos os milési…

OMG, I'm So Retrô

Bonjour mon cher...
Ah quanto tempo não me inspirava de postagens, filmes, videos, fotos, músicas etc... Mas hoje dia após feriado, em casa (uma folga da correria enfim da "arquitortura"), abro o spotify como de costume para escutar músicas, e o aplicativo me sugere uma playlist, cujo nome um tanto inspirativo "JUNKEBOX BURGUER", sim daquelas lanchonetes retrôs décadas 30,40,50,60, onde se tinha uma caixa "gigante" de fazer música, mobiliários da época, e ali se fazia o point da juventude. E começo escutar Elvis Presley, Chuck Berry, Roy Orbison, Ritchie Valens... E a cena começa vir na cabeça, vestidos, estampas, mocassins, suspensórios, óculos aviadores, as Kombis coloridas, os "possantes" dos meninos pra impressionar as meninas, laquês nos topetes, sorvetes coloridos, entre tantas cenas que meu coração adoraria ter vivido. É essa foi uma boa fonte de inspiração, mas se não bastasse músicas, ontem quinta, (04/06/2015) assisti a dois vídeos de …

#Desabafo: Estamos ficando com preguiça de "socializar"

Bonjour mon cher's...


O quanto do que acontece a nossa volta nós perdemos por estarmos com os olhos grudados nas telinhas dos smartphones?  Quantos livros você leu nesses últimos 30 dias? Quantas vezes você pegou um jornal para foleá-lo? Quanto seu dia foi produtivo? Quantos cálculos seu cérebro fez hoje?
É com esses questionamentos que começo o papo de café de hoje. Já parou pra pensar o quanto de tempo perdemos digitando nossos desabafos, inquietações e alegrias, publicamente? Ou ainda expor de que jeito estamos no dia? Ou então perceber o quanto estamos conectados e não conseguimos sequer ler por horas aquele livro favorito, mas ainda assim ficar "abitolado" em uma telinha de 5,5", lendo bobagens atualizadas de 5 em 5 segundos. 
Essa facilidade e acessibilidade à tecnologia, nos transformou em verdadeiros "robozinhos", que tem sua vida controlada por uma mini-tela na palma da mão. A ideia de poder fazer tudo por um aparelhinho, é realmente incrível e fantástic…